Portal da Cidade Brusque

Opinião

Sem Blá, Blá, Blá: em quem devemos acreditar?

Em sua primeira coluna, Wilson Schmidt Junior faz uma reflexão sobre o papel da comunicação nesta crise do coronavírus

Postado em 25/03/2020 às 17:49 |

(Foto: Portal da Cidade Brusque)

De um lado, temos a Organização Mundial da Saúde (OMS), subordinada à agenda globalista da Organização das Nações Unidas (ONU), dizendo que o isolamento social e a quarentena são os únicos remédios indigestos para se conter, de maneira eficaz, o avanço do novo coronavírus.

De outro, temos especialistas como o deputado federal Osmar Terra (MDB RS), que acreditam que as medidas restritivas adotadas por governadores e prefeitos brasileiros são alarmistas e que não vão achatar a curva de contágio do Covid 19. Terra, que além de político é profissional da medicina, teve atuação reconhecida como gestor público na pandemia de H1N1, entre 2009 e 2010. Ao defender sua tese mais positivista, disse ter artigos publicados que o gabaritam para tratar do assunto.

De um lado, administradores públicos fechando fronteiras nas cidades e estados brasileiros. De outro lado, o Presidente da República, Jair Bolsonaro, dizendo que esse conceito de “terra arrasada” traz uma sensação indevida de pânico nos cidadãos e que só os grupos de risco devem permanecer isolados.

Poxa vida! Com tanta informação chegando de pessoas e instituições gabaritadas para falar sobre o assunto, como o parlamentar e a OMS (entre diversos outros, é só dar um Google), em quem devemos acreditar?

Na mídia, no presidente, na Organização Mundial da Saúde, no deputado, no especialista contatado pelo grande conglomerado de comunicação, no “zé da esquina”? Enquanto a guerra de narrativas continua comendo solta, nós, o povo, continuamos a ser tratados como massa de manobra.

A verdade é que só o futuro dirá qual desses atores estava com a razão… e talvez nem ele. Outra verdade indigesta é a seguinte: nem você, leitor, nem eu, jornalista, somos capacitados a falar com propriedade do Covid 19. A não ser que você seja um cientista, biólogo, infectologista ou outro profissional da área de saúde. Aí eu retiro o que eu disse.

Enquanto profissionais de comunicação, não devemos tomar lado algum nessa história. Não temos que concordar com o presidente, não temos que concordar com o Osmar Terra, nem com a OMS. Temos que reportar. E ponto. Não precisamos ser imparciais. Isso é impossível. Mas devemos ser isentos nas reportagens. E quando não formos, devemos deixar claro que se trata de uma opinião do emissor (como é este caso).

Wilson cidadão falando: com tudo o que vi e ouvi, ainda não consigo concluir, neste momento, sobre o que é melhor para todos nós (isolamento ou volta à rotina). Pois não sejamos tolos: há interesses políticos, sociais e econômicos, além de um pesado lobby, em todos os lados desta guerra de narrativas. Da OMS ao presidente Jair Bolsonaro.

E tão grave quanto ser acometido pelo coronavírus, é se permitir ser massa de manobra de qualquer um destes lados. Conteste tudo.


Fonte:

Deixe seu comentário