Portal da Cidade Brusque

joga em casa ou não?

Brusque cogita requerer à CBF para jogar a Série B no Augusto Bauer; entenda

Pandemia pode influenciar nos rumos do Quadricolor na Série B

Postado em 21/01/2021 às 15:33 |

(Foto: Inove Drones)

Após o acesso do Brusque para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro, a pergunta que não quer calar é em relação ao estádio que a equipe mandará os jogos. O Augusto Bauer não possui capacidade de suprir a demanda exigida, que é de 10 mil pessoas sentadas. Assim, existe a possibilidade do time mandar as partidas em Florianópolis ou Joinville. Porém, o “fator pandemia” pode mudar os rumos do Quadricolor na competição.

Caso a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) se posicione contrária a volta do público nos estádios, em virtude do avanço da covid-19, o vice-presidente do Brusque, Carlos Beuting, afirma que o clube vai requerer para que o Augusto Bauer seja liberado para mando dos jogos na Série B.

Beuting diz que o clube pode fazer a solicitação até com 30% de capacidade de público liberada. O alto custo para alugar o estádio em outro município catarinense é um dos problemas do clube. “Claro que nós vamos requerer à CBF para jogar em Brusque, mesmo com uma estrutura limitada. Nós vamos pedir. Alugar um estádio como o Orlando Scarpelli ou como a Ressacada tem um custo muito alto, sem contar o deslocamento. Tem toda uma logística bem complicada”, afirma.

Ele contou também que se caso a tentativa não dê certo, o Brusque vai buscar outras alternativas. Além dos estádios da capital, a Arena Joinville também está na lista de possibilidades. "Se realmente voltar o público, impedindo que nós joguemos na cidade, com certeza estaremos buscando alternativas. Uma delas é jogar na capital, no Orlando Scarpelli ou na própria Ressacada e, também, em Joinville”, conta.

Apesar de admitir a possibilidade do clube jogar a Série B em outro município, Beuting afirma que nenhuma conversa foi feita ainda. “Até o momento não entramos em contato com ninguém, de nenhuma cidade, nem Florianópolis, nem Joinville. Estamos aguardando um pouco, temos esse primeiro semestre inteiro para resolver isso. Não é uma urgência para agora", conclui.

Novo estádio

A possibilidade da construção de um estádio próprio para o Brusque também retornou à pauta após o acesso para a segunda divisão. Segundo Carlos Beuting, a diretoria trabalha para que isso possa se tornar realidade. “Em relação ao estádio próprio, é uma pergunta que não quer calar. O Brusque está realmente trabalhando com várias pessoas, do poder público e empresários”, afirma.

Ele afirmou também que o clube não tem condições de construir um estádio com as “próprias forças” e, por este motivo, busca envolver a comunidade para que este sonho da diretoria, do elenco e de toda a torcida possa sair do papel. “De concreto nós não temos nada. Mas existe um trabalho muito forte que é a nossa obrigação como diretoria, em estar trabalhando incansavelmente isto nos bastidores", diz.

Por fim, o vice-presidente lembrou também do nível de exigência que o clube se encontra e afirma que muito mudou nos últimos anos. “São muitas coisas que nós temos que resolver no Brusque. Há dois anos atrás nós estávamos na Série D, lutando com uma estrutura menor. Agora é Série B do Brasileiro, muda muita coisa”, finaliza.

O Brusque estreia no Campeonato Catarinense na quarta-feira, dia 24 de fevereiro, às 20h, no estádio Dr. Hercílio Luz. O adversário será o Marcílio Dias, um dos rivais do Quadricolor. O clube deve contar com 23 atletas no elenco para a disputa do estadual.

por Thiago Facchini

Fonte:

Receba as notícias de Brusque no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário