Portal da Cidade Brusque

autoconhecimento

Constelação Familiar pode elucidar traumas, problemas pessoais e profissionais

Psicóloga explica como técnica atua para mostrar ao indivíduo o que, porque e como foi causado um determinado problema.

Postado em 16/04/2021 às 16:46

(Foto: Anaxara Andrade é psicóloga e consteladora )

Tem quem nunca ouviu falar. Tem quem já escutou algo sobre e não entendeu muito bem. E tem quem conhece, mas não sabe explicar como ela funciona. A Constelação Familiar é uma técnica criada pelo psicanalista alemão Bert Hellinger, e é um método terapêutico isento de crenças religiosas ou de qualquer experiência mística ou sobrenatural.

A técnica trabalha com nosso inconsciente profundo, sempre considerando a ótica das nossas relações familiares, já que, segundo a Constelação Familiar, são elas que moldam boa parte dos nossos comportamentos e atitudes. E assim, podemos compreender porque somos do jeito que somos.

A Constelação Sistêmica Familiar vem ganhando espaço no mundo terapêutico por ser uma ferramenta poderosa para elucidar traumas, problemas de saúde, pessoais, de relacionamentos, dificuldades profissionais e financeiras, além de outras questões do âmbito corporativo.

Para explicar da forma mais simples possível como essa poderosa ferramenta é aplicada e age sob o indivíduo, o Portal da Cidade Brusque foi ao encontro da psicóloga Anaxara Andrade, que atua na psicologia comportamental há 20 anos, e que depois de ser constelada há três anos e sabendo do benefício da técnica na sua vida, vem estudando mais e utilizando desta ferramenta como parte do processo de terapia breve.

“Depois de passar pelo processo de constelação fui percebendo grandes movimentos e mudanças profundas que a técnica promoveu na minha vida e na da minha família. A partir daí eu estudei e me especializei em Constelação Familiar Sistêmica, e me coloquei a serviço da vida, trazendo elucidações para o equilíbrio dos sistemas das famílias que me procuram”, conta a psicóloga.

Além de conduzir a entrevista, a jornalista do Portal da Cidade, Ana Massambani, passou pela constelação familiar com a psicóloga Anaxara afim de exprimir sua visão pessoal e o que percebeu ao utilizar a técnica.

Como funciona?
Segundo Anaxara, a constelação sempre chega no momento certo para o constelado, pois este sente-se tocado a estar a serviço do equilíbrio e harmonia do seu sistema familiar. O primeiro passo é o constelado trazer um tema, uma questão ou um desconforto. O constelador faz algumas perguntas a fim de conhecer minimamente o constelado. Então, inicia uma dinâmica simples de olhar para a sua vida dentro de um campo de informações, como se fosse uma nuvem com todas as consciências, decisões e memórias de todo um sistema ancestral.

O trabalho da constelação é acessar estas informações utilizando alguns objetos, que podem ser bonequinhos, pedras, pequenos brinquedos e afins. O constelado deve escolher alguns desses objetos que vão representar elementos do tema em questão.

Esses objetos serão colocados sob um pequeno espaço que representa a vida do constelado, que é organizada em três grandes esferas: a primeira é a esfera do Eu, que compreende vida pessoal, saúde, sintomas e doenças. A segunda esfera é das relações que compreende casal, sexualidade e família, e a terceira esfera é a do trabalho, que compreende vida profissional, dinheiro sucesso abundância e prosperidade.

Anaxara Andrade / Psicóloga e consteladora

A origem do problema

“Todas estas esferas estão conectadas em constante mudança. Podemos entender que os problemas não acontecem do nada, e que principalmente o que pensamos ser o problema nunca é o problema e sim o desequilíbrio sistêmico familiar que está por trás do problema”, alerta a psicóloga e constelador”.

Anaxara Andrade / Psicóloga e consteladora

Anaxara ainda salienta que o trabalho do constelador é trazer consciência e busca de harmonia e equilíbrio dentro de um sistema, para trazer ordem e direito de pertencimento. “Com a constelação conseguimos encurtar o caminho, em uma única sessão, para compreendermos a causa dos sintomas. Alguns dizem que parece mágica, mas não é, apenas trazer luz a consciência. Quando o problema se torna consciente está solucionado”.

Impressões de uma constelada
A jornalista Ana Massambani relata que a constelação com Anaxara trouxe revelações e compreensões importantes sobre seu sistema, e que durante o processo alguns movimentos não pareciam fazer sentido, mas que no final teve um entendimento claro sobre muitas questões.

“Quando Anaxara pediu para que eu escolhesse objetos que representavam meus familiares e situações, eu apenas sentia que deveria colocar determinado objeto próximo ou longe de outro. Não era uma ação aleatória. Era uma vontade. Um incômodo. Eu sentia que determinado objeto deveria estar em determinado lugar. Foi no mínimo curioso quando percebi que coloquei o boneco que representava meu pai bem ao lado do que representava minha mãe. E depois quando coloquei um objeto que representava um luto próximo ao boneco que me representava. Esses atos simples, de inserir um boneco perto ou longe de outro, que pareciam atos aleatórios, me elucidaram algumas questões que eu não conhecia e outras que eu não entendia, conta a jornalista.

Neste momento o constelador tem o entendimento sobre diferentes situações e realiza algumas perguntas sobre os elementos representado. “Eu observo como o constelado reage as dificuldades e quais sentimentos estão presentes nessa dinâmica e porque a vida não flui de forma funcional, onde gradativamente são revelados a consciência dos sistema familiar e a solução do problema. E a partir daí iniciamos um processo de se reconciliar com a nossa história nos colocando numa postura responsável a serviço da vida”, explica Anaxara.

O processo de reconciliação é feito com a proclamação em voz alta de algumas frases que o constelador pede para o constelado repetir. Palavras-chave como agradecer e reconhecer o que os antepassados fizeram, que foi o suficiente tudo o que recebemos e que foi por amor. São geralmente utilizadas.

Segundo Anaxara, é importante ressaltar que os efeitos da Constelação Familiar variam caso a caso. Algumas pessoas percebem transformações imediatas, enquanto outras têm a consciência de mudanças que vão acontecendo após alguns dias, onde fica em movimento por meses e em alguns casos até anos.

“O constelado continuará processando informações recebidas no dia da constelação. Nesse período serão elaboradas mudanças sistêmicas e energéticas que irão ocupar um lugar no indivíduo, em outros membros da família e nas pessoas que estão em ressonância com ele. O constelada deixará várias compensações de dor nas quais tinha muito apego, que darão lugar a novos objetivos, encontrando um forma mais assertiva de se posicionar no mundo”.

Ana Massambani conta que o objetivo com a constelação era elucidar questões que a prejudicavam no âmbito profissional. “Na Constelação Familiar eu entendi o que me levava a autossabotagem. Inclusive, tive uma percepção muito mais profunda, que impacta em todos os aspectos da minha vida. Foi uma experiência transformadora”, conta.

É possível constelar qualquer assunto
Anaxara salienta, ainda, que é possível eleger qualquer tema que se deseja constelar, para que se tenha entendimento claro sobre o que o causou, o porque ele foi causado e como ele é ou foi causado, e assim trazer consciência para que a dificuldade seja solucionada. Medos, traumas, escassez financeira, empresas, doenças, relacionamentos e diversas outras questões podem ser olhadas dentro do sistema.

O ideal é que se tenha uma conversa prévia com a psicóloga para que ela oriente a melhor forma de conduzir a Constelação.

Quer saber mais? A psicóloga Anaxara atende na Clínica Facilitá, na Villa Schlösser, na Av. Getúlio Vargas.

Para agendar atendimento ou tirar dúvidas, clique aqui e fale no WhatsApp.

Fonte:

Receba as notícias de Brusque no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário

Outras notícias

data-matched-content-ui-type="image_stacked" data-matched-content-rows-num="2" data-matched-content-columns-num="3">

Mais Lidas