Portal da Cidade Brusque

Comusa

Secretário empossa novos integrantes do Conselho Municipal de Saúde

Durante o primeiro encontro, Comusa se manifesta sobre a UPA Santa Terezinha

Postado em 23/01/2020 às 14:18 |

(Foto: Divulgação)

Foram empossados na noite de quarta-feira (22) os novos representantes do Conselho Municipal de Saúde (Comusa), para o biênio 2020/2021. O ato foi conduzido pelo secretário de Saúde, Humberto Martins Fornari, que deu posse aos 20 conselheiros titulares e outros 20 suplentes, que terão a responsabilidade de fiscalizar, acompanhar, deliberar e sugerir ações dentro da área de atuação.

“Eu entendo que o Comusa é o nosso grande concentrador de ideias, com seus representantes sendo formadores de opinião e que vão deliberar sobre nossas ações. É para isso que existe este Conselho, atuante e importante para a saúde pública de nossa cidade”, comenta Fornari.

Logo após a posse, os novos conselheiros elegeram a diretoria do colegiado. Júlio Atanásio Gevaerd, foi reconduzido ao cargo de presidente, tendo a mesa diretora composta ainda por Juarez Gratzky, Daiana da Paixão Goller e Romilde Primon Cardozo.

“Eu aceito a função de bom coração e vou usar o meu tempo e a sabedoria, junto com os demais integrantes da mesa e do conselho, para que o Comusa seja sempre o órgão responsável em manter a saúde pública de Brusque no bom caminho”, comenta Gevaerd.

UPA Santa Terezinha

Durante o primeiro encontro do ano, Gevaerd comentou sobre supostas denúncias envolvendo a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Santa Terezinha. Segundo o presidente, o assunto já vinha sendo debatido no Comusa há alguns anos e o órgão, sempre se posicionou contrário a abertura de uma UPA. 

“Nunca foi colocado de forma clara para a população, deste a sua concepção, que aquela unidade seria aberta ao público aos moldes de um Pronto Socorro de um Hospital. Os atendimentos prioritários seriam realizados para aqueles pacientes que chegassem motorizados (ambulâncias). O que a população tinha no imaginário, era totalmente diferente de seu projeto inicial”, frisa. 

Segundo o Comusa, as denúncias foram feitas de forma leviana. Não houve por parte do autor, uma procura de informações na Secretaria de Saúde, Comusa ou até mesmo no Ministério da Saúde, para esclarecimentos.

“O lançamento de nomes de profissionais que atuam hoje na Secretaria de Saúde no Cadastro Nacional de Estabelecimentos em Saúde, foi uma formalidade solicitada pelo Governo Federal para o fosse iniciado o processo de abertura do Pronto Atendimento (PA)”, esclarece Júlio Gevaerd. 

Fonte:

Deixe seu comentário