Portal da Cidade Brusque

Amor aos animais

O homem que abriga 78 cachorros

Portal da Cidade Brusque conta a história de Valmor Mayer, homem que vive em local distante da região junto de quase 80 cães retirados das ruas

Postado em 13/08/2020 às 11:50 |

(Foto: divulgação)

Valmor Mayer tem 73 anos de idade. O senhor bem instruído, porém, de aparência cansada e sofrida, nasceu em Brusque, mas já viveu em muitos lugares. Já foi pobre, já foi bem de vida; já teve seus fracassos e já teve seus sucessos.  

Divorciado, ele admite não ter sido um marido exemplar. Porém, em relação a paternidade, diz não ter deixado faltar nada para seus quatro filhos. Ex-militar, Mayer serviu como paraquedista no Comando Especial Auto Terrestre, na década de 1960, quando o país ainda se chamava Estados Unidos do Brasil.

Hoje, sem receber nenhum tipo de ajuda governamental, seu Valmor mora sozinho em um sítio na região da Serra do Moura, já no território pertencente ao município de Canelinha. Bom… Sozinho não. Junto com ele, outros 78 amigos de quatro patas.

Alguns dos quase 80 cachorros mantidos por Valmor no abrigo São Francisco de Assis - Foto: divulgação

Guardião independente de animais abandonados e de rua, o idoso abdicou de uma vida relativamente confortável no bairro Dom Joaquim, em Brusque, para dedicar todos os seus recursos e forças aos cuidados dos bichinhos resgatados ao longo dos anos.

“Eu não planejei, nem pensei em deixar minha vida normal por causa dos animais. Tudo foi acontecendo no dia a dia. Há nove anos, comecei recolhendo um cachorrinho atropelado aqui, uma cadelinha com filhotes ali, um idoso lá, e as coisas foram acontecendo”, disse o protetor à Portal da Cidade Brusque.

Atualmente, sua casa é conhecida como Abrigo São Francisco de Assis, em alusão ao santo padroeiro dos animais. Todavia, debilitado pela idade avançada e, sobretudo, pela falta de condições financeiras adequadas, o homem, que por vezes deixa de comer para alimentar seus cães, clama por auxílio.

“As dificuldades são muitas. Medicamento, castração, alimentos, tudo isso é dinheiro. Mas uma das principais e talvez a mais importante e mais cara é o espaço. Tenho 78 cachorros. Precisaria de três mil metros quadrados. Para abrigar mil cachorros precisaria de um hectare e meio, isso pra aliviar a demanda de cachorros abandonados em Brusque”, comenta.

Doação feita pelo protetor independente Eder Leite - Foto: divulgação

Integrante da Associação Regional do Bem Estar Animal (Arba), o homem diz receber promessas de cessão de um terreno do poder público há anos. Até hoje, apesar de três tentativas frustradas por parte da Prefeitura de Brusque, a entidade continua “respirando por aparelhos” e funcionando às custas de doações de um ou outro entusiasta da causa animal.

O Governo de Brusque, por sua vez, explicou os motivos que levaram ao imbróglio jurídico. “A respeito da reivindicação da Arba, a municipalidade analisou a solicitação de doação de área, e a possibilidade de doação de área pública nos locais Bela Vista, rodovia Gentil Archer e Bairro Limeira. Porém, a localização das áreas não permite a atividade (canil ou local para cuidar de animais), pois vai de encontro a Lei Municipal de Zoneamento. Acrescente-se que, no atual exercício, por ser ano eleitoral, o município está impedido de oferecer outra área em doação”.

Mas, afinal de contas, o que motiva este homem a se isolar em um local ermo, vivendo apenas na companhia de seus cães? Valmor nos confidencia que cuidar dos quase 80 animais o faz sentir mais humano.

“As pessoas adotam, tratam e abandonam. Pior: dão carinho, amor, segurança, e de repente deixam os bichos sozinhos. Eles, pra mim, representam uma espécie de vida que só quer comer, beber, dormir e ter a segurança de alguém, alguém que cuide com segurança, amor, e que lhes forneçam as necessidades básicas”, cita.

Alguns dos 78 cachorros de Valmor - Foto: divulgação

Até algum tempo atrás, Valmor Mayer morava no bairro Dom Joaquim, na região conhecida como Beira Rio. Lá, ele pagava aluguel e já cuidava de algumas dezenas de cães retirados das ruas. Gilberto Silveira, coordenador da Vigilância Sanitária de Brusque, ressalta que foi solicitado que o homem fizesse adequações no terreno para poder abrigar os cães.

“O seu Valmor acabou fazendo algumas mudanças bastante superficiais, só mesmo pra dar tempo de se mudar. Os locatários mesmo já não o queriam mais”, ressalta. Com as negativas da administração municipal, o jeito foi buscar refúgio em meio à natureza, em Canelinha. A vida por lá é difícil, mas o homem não desiste de tentar prover um lar digno aos “au”migos.

Nossa reportagem buscou contato com a Secretaria de Assistência Social da Prefeitura de Canelinha. Um dos servidores, identificado como Vidal Piazza de Medeiros, disse que a pasta não possuía conhecimento da situação de Valmor. O servidor sugeriu, ainda, que o homem acaba fazendo mal para seus cachorros, já que não tem condições de cuidar satisfatoriamente deles. Por fim, a Assistência Social do município não comentou se pretende proporcionar algum tipo de ajuda para o guardião independente.

Como ajudar Valmor?

O protetor de animais precisa de dinheiro, alimentos, ração, e diversos utensílios para a sua casa e seu abrigo. Hoje, a dívida com o hospital veterinário SOS Animais, de Brusque, já alcança os R$ 1,5 mil. Valor que Mayer não sabe de onde mais tirar.

Para ajudá-lo, basta entrar em contato através do telefone 47 99951-8737 (também é WhatsApp), ou então diretamente com o hospital, no telefone 47 98828-8002. A doação pode ser feita em nome da Arba.

O veículo do idoso também não está mais funcionando. Trata-se de um Ford Escort que já não anda mais, impedindo o senhor de se deslocar com os animais e, também, de efetuar seus afazeres pessoais. “Qualquer ajuda é bem vinda”, finaliza o protetor.

Residência de Valmor Mayer - Foto: divulgação

por Wilson Schmidt Junior

Fonte:

Receba as notícias de Brusque no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário