Portal da Cidade Brusque

Inédito

Brusquense é o 1º brasileiro a contornar o Lago Titicaca em Kayak

O trajeto de 400 km foi realizado por Álvaro Walendowsky no período de 12 dias, durante o mês de julho; Lago fica na fronteira entre o Peru e a Bolívia

Postado em 05/09/2019 às 14:50 |

(Foto: Álvaro Walendowsky/Arquivo Pessoal )

(Foto: Álvaro Walendowsky/Arquivo Pessoal )

O brusquense Álvaro Walendowsky conquistou um feito inédito: ele é o primeiro brasileiro a contornar os mais de 400 km do lago Titicaca na fronteira entre o Peru e a Bolívia, a bordo de um kayak. Para completar o trajeto realizado no mês de julho deste ano, ele levou um total de 12 dias, conforme mostra o diário de bordo do círculo de navegação, exposto abaixo.  


O diário de bordo revela quantas horas foram remadas em cada dia, temperatura e demais atividades realizadas diariamente.



O Lago Tititica é considerado o mais alto do mundo, pois está há 3.821 metros acima do nível do mar e, possui condições de navegação similar às marítimas. Sozinho, Álvaro enfrentou o sol ardente, tempestade de ventos que ultrapassavam os 80km/h, além de chuva de granizo e as baixas temperaturas que em algumas madrugadas chegaram a -5ºC.



Os dias foram alternados entre horas de remadas e horas de barracas. Walendowsky estima ter remado em média 40 km por dia. Ele relata que em alguns dias teve que ficar na barraca por 10h ou 12h devido às condições climáticas.


Para encarar tantos desafios em uma única viagem, o brusquense teve que se preparar. E não pense que essa foi apenas uma aventura. Álvaro é instrutor de canoagem oceânica ao ar livre, pela Associação Americana de Canoagem e empresário, por isso, completar o trajeto foi, também, uma questão profissional.

Álvaro já conhece a região, pois leva grupos de escalada com frequência a Cordilheira dos Andes. Diante da dificuldade de levar um Kayak aqui da região até o Peru, o brusquense fez um acordo com uma agência do país vizinho. “Eu ministrei um curso de canoagem para os guias dessa agência e pude utilizar um kayak deles” conta Álvaro.



Trajeto e segurança

O trajeto de Álvaro começou em Puno no Peru. Para garantir a própria segurança ao longo do percurso, Álvaro redigiu uma carta oficial e entregou à Marinha, explicando que se tratava de um profissional munido de todos os equipamentos de segurança necessários.

Ao longo do trajeto, ele teve que parar em diversos pontos para se reportar ás bases dispostas ás margens do lago. Para se localizar, ele utilizou um mapa turístico e, somente após alguns dias de navegação, quando chegou à cidade de Copacabana, na Bolívia é que ele conseguiu um mapa de navegação.


“Eu fui recebido pela Marinha que disponibilizou um soldado que apresentou a cidade pra mim. Eu solicitei uma carta náutica, pois no lago não há essas informações e o capitão providenciou isso para mim”, relata.

Ao final da parada na cidade, o capitão havia mobilizado a sua tropa para apresenta-lo. “Para isso é muito incomum. O próprio Kayak é incomum”, explica.

Cultura

A mística do lugar e a riqueza da cultura inca ainda preservada pelos povos ribeirinhos, foi o que mais chamou a atenção de Álvaro ao longo do trajeto. Os incas acreditavam que a civilização havia sido criada a partir das águas do lago Titica e por isso, consideravam aquele local sagrado. Para Walendowsky, o contato com essa cultura foi o grande diferencial de toda a experiência vivida ao longo dos 12 dias de navegação.

À reportagem do Portal da Cidade Brusque, ele relata que foi muito bem acolhido pela população ribeirinha. “Quando parava às margens do lago para descansar e montar acampamento, as pessoas vinham ver, porque era uma novidade, todo mundo queria saber quem eu era e ali surgiam boas trocas e vivências”, relata. “Muitos queriam andar com o Kayak e eu precisava dizer não, pois qualquer dano que eventualmente surgisse ao equipamento, poderia comprometer ou dificultar ainda mais o que estava fazendo”, revela.

Solidão e desgaste físico

Horas de remadas e horas de barraca, assim como a baixa temperatura e o sol escaldante são situações que mexem com o psicológico de qualquer indivíduo. A solidão esteve presente ao longo de todos esses dias em que Walendowsky percorreu o trajeto. Para isso, ele revela que tem sempre um bom livro ao lado. O escolhido para esta ocasião foi “Os mistérios do lago Titicaca”.


Entre os principais desafios que ele teve que enfrentar, estiveram os imprevistos climáticos, com as tempestades e também o acesso à alimentação necessário, e também a falta de contato com as pessoas.

Roteiro

Finalizado o trajeto, Álvaro prepara agora um roteiro incluindo o lago para disponibilizar aos clientes que atende em sua empresa, a Casa de Aventura. Para realizar todo o percurso, ele contou com o apoio de parceiros como a Seatur Summit, a Azteq, Deuter, Edgar Adventures e Stallion CF.


Fonte:

Deixe seu comentário