Portal da Cidade Brusque

NOTA VERMELHA

Boletim: crianças apresentam dificuldades após ano letivo com ensino remoto

Psicopedagoga alerta que é preciso intervir na recuperação do conteúdo o quanto antes para evitar maior defasagem de aprendizado

Postado em 03/05/2021 às 04:45

Não há como negar. Embora houveram grandes e intensos esforços para manter a educação de crianças e adolescentes em pleno fluxo durante 2020, com a chegada da pandemia de covid-19, o ensino remoto deixou sequelas no aprendizado de muitos alunos.

De uma hora para outra eles tiveram que se adequar a uma nova rotina de estudos. Manter os filhos focados nas aulas online se tornou um desafio e preocupação para os pais.

A volta parcial das aulas presenciais em 2021 soou como um alívio. Mas tão logo elas começaram, foi possível perceber que muitos alunos apresentavam defasagem no aprendizado, já que parte do conteúdo não foi aprendido no ano letivo anterior, em meio a rotina de ensino remoto.

A psicopedagoga Ana Paula Silva aponta que especialmente os alunos que em 2021 entraram no segundo e no sétimo ano do ensino fundamental são os que mais apresentam defasagem no aprendizado. Isso porque, os pequenos, que ano passado estavam no primeiro ano do ensino fundamental, foram alfabetizados em ensino remoto e não tiveram uma conexão necessária com a escola, nem com atividades que desenvolvem com a alfabetização de forma presencial.

O mesmo ocorre com os alunos que ano passado estavam no sexto ano, e que agora entram no sétimo ano em um contexto diferente, com maior número de professores e disciplina para assimilar e sem estarem preparados para isso.

“Agora, além de terem dificuldades para dar sequência no aprendizado, levando em conta que deixaram de aprender parte do conteúdo do ano passado, essas crianças também têm que dar conta dos novos conteúdos passados em aula. Soma-se a esse cenário a rotina de aulas, que agora é parte presencial e parte remota. O resultado pode ser desastroso para muitos alunos”, diz a psicopedagoga.

Os pais que perceberam a dificuldade do aprendizado dos filhos terão agora uma mostra mais assertiva do cenário, com a chegada dos boletins referentes ao primeiro bimestre. E este pode ser o momento ideal para intervir e buscar ajuda.

Avaliação pedagógica gratuita
A Ensina Mais, especializada no reforço escolar, oferece avaliação pedagógica gratuita a todos os alunos de todas as séries escolares do Ensino Fundamental. Essa avaliação mostra como está o processo de aprendizagem do aluno e quais são os pontos que precisam ser trabalhados e melhorados. É muito simples contar com o serviço. Basta agendar a avaliação pelo telefone (47) 3044-3709 ou WhatsApp, clicando aqui. E é isso mesmo. Não tem custo algum.

A Ensina Mais trabalha com crianças e adolescentes, principalmente nas disciplinas de português e matemática, para que melhorem o desempenho escolar através de técnicas altamente assertivas e profissionais capacitados.

“A partir do resultado da avaliação pedagógica podemos iniciar um plano de ação com a criança ou adolescente, para que aprenda, de fato, o conteúdo que deveria ter aprendido no ano passado, e que consiga conciliar com o aprendizado do novo ano letivo que já se iniciou”, conta Ana Paula.

Diagnóstico e intervenção precisam ser feitos o quanto antes
Está correto que cada criança tem o seu tempo de aprendizagem. Algumas apresentam maior facilidade na alfabetização e aprendem mais cedo, outras um pouco mais tarde. Mas o fato é que há um período limite, e depois desse prazo é sinal de que há algo errado.

“Nos 25 anos em que atuo como pedagoga já constatei que não adianta empurrar o problema para frente esperando que a criança dê um ‘click’ e passe a aprender o conteúdo que já estava defasado. Existe um padrão em relação à alfabetização, onde há uma data pré-existente em que a criança começa a desenvolver a leitura e escrita. E essa data pode se adiantar ou atrasar um pouco. Porém, quando passa muito desse tempo, o problema será maior lá na frente. Por isso trabalhamos muito com a prevenção. A dificuldade de aprendizagem gera sofrimento para a criança. Gera ansiedade, pânico e até medo do ambiente escolar, por ela não estar conseguindo aprender”, alerta Ana Paula.

Rotina de estudos é fundamental
Ao perguntar se uma criança ou adolescente gosta de estudar, muito provavelmente a resposta será não. E segundo Ana Paula isso acontece porque não foi criado o hábito de estudar. “A rotina e o hábito de estudar não é algo que a criança aprende da noite pro dia. Isso tem que ser desenvolvido. E principalmente agora, em que os alunos passaram pelo ensino remoto e voltam aos poucos às aulas presenciais. Toda essa mudança no formato do ensino será visível no boletim”, diz Ana Paula.


Criar o hábito de manter os estudos em dia é uma das frentes da Ensina Mais no reforço escolar. Uma vez que esse hábito é criado, o aluno tende a mantê-lo. E isso traz consequências benéficas em relação à recuperação do aprendizado do ano passado e ao aprendizado de novos conteúdos.

Como a Ensina Mais trabalha
A partir do momento em que a criança tem o resultado da avaliação pedagógica e inicia o processo de acompanhamento na Ensina Mais, ela passará por dois momentos de atividades: o primeiro é dedicado à recuperação dos conteúdos. Ela assiste a aula, desenvolve atividades. O segundo momento é onde o aluno revisará o conteúdo que tem aprendido no atual ano letivo, onde vai realizar tarefas, estudará para as provas e receberá apoio para os conteúdos que mais tem dificuldade.

A Ensina Mais funciona das 8h às 12h e das 13h às 19h. E está situada junto com a Clínica Facilitá, na Vila Schlösser, Avenida Getúlio Vargas, 151, no centro de Brusque.

Para saber mais sobre a Ensina Mais e a Clínica Facilitá, contate (47) 3044-3709.

Ou fale no WhatsApp, clicando aqui.

Instagram: @ensinamaisbrusque l @clinicafacilita


Fonte:

Receba as notícias de Brusque no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário

Outras notícias